15 abril 2013

Extensão de prazo até 7 anos


Os ministros europeus das Finanças da União Europeia aprovaram a extensão de prazo a Portugal e Irlanda para pagar os seus empréstimos de resgate, mais tarde do que o inicialmente acordado, numa tentativa de ajudar os dois governos a reencontrar o seu caminho a partir do próximo ano.

Conseguindo a Irlanda regressar aos mercados ainda este ano para se financiar inteiramente nos mercados, seria uma validação da estratégia da zona do euro no combate à crise, bem como à austeridade do governo e "reformas estruturais".

Portugal está numa posição mais difícil. A sua economia irá contrair significativamente este ano (2012), após o chumbo do tribunal constitucional, tendo rejeitado recentemente algumas das medidas de austeridade propostas pelo governo para satisfazer as exigências do seu programa de resgate. O governo está a preparar novos cortes nomeadamente ao nível da despesa pública, substituir os chumbos do tribunal.

É crucial que tanto a Irlanda e Portugal continuem no caminho dos programas de ajustamento. A combinação do crescimento com o reforço de medidas e de consolidação fiscal irão devolver a confiança aos investidores.

Na zona do euro os governos concordaram numa extensão de sete anos para o prazo médio dos empréstimos feitos para a Irlanda e Portugal pelo fundo do bloco de moeda do resgate temporário, o Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF). Os ministros das Finanças dos 27 governos da UE também concordaram em estender os prazos de vencimento dos empréstimos feitos para os dois governos a partir de um fundo de resgate independente apoiado pelo orçamento da UE.

Os ministros da UE terão que resolver um dos problemas mais difíceis enfrentados pelo bloco: a concepção de um sistema de regras para a morte ordenada dos bancos falidos. Após a confusão que reinou durante as negociações sobre o resgate de Chipre, os governos querem dar certezas aos mercados, ditando essas regras o mais rápido possível.

O bloco de moeda é dividida em muitos pontos. Os governos alemão, holandês e finlandês querem  fazer "bail-ins" com os credores dos respectivos bancos para que as suas reivindicações sejam convertidas em instrumento de equidade, para lidar com bancos em dificuldades.

Outros governos temem que isso poderia aumentar o custo de financiamento do banco da zona do euro, em particular para os países que não têm dinheiro para recapitalizar seus próprios bancos.

A zona do euro concordaram que o Mecanismo Europeu de Estabilidade, fundo de resgate do bloco permanente, permitirá bombear capital directamente nos bancos em dificuldades, desde que um regulador único banco da zona do euro esteja a funcionar em pleno. 
Mas a Alemanha e outros países-membros querem capitalização bancária directa para ser usado como um último recurso, só depois dos governos nacionais, investidores privados e até mesmo credores bancários foram solicitados a contribuir com fundos.


Veja também
O que posso consultar na internet, relativo ao IRS? 
(http://gestornosapo.blogspot.pt/2013/04/o-que-posso-consultar-na-internet.html)

Sem comentários: