04 julho 2013

A crise criada pelas demissões dos ministros das Finanças e dos Negócios Estrangeiros de Portugal


O primeiro-ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho e o seu parceiro de coligação no governo, Paulo Portas arriscaram uma crise política que poderá deitar por terra todos os esforços desenvolvidos ao longo de dois anos para emergir do resgate internacional.

O primeiro-ministro disse que o seu governo iria sobreviver à crise criada pelas demissões de ministro dos Negócios Estrangeiros Paulo Portas e o seu ministro das Finanças Vitor Gaspar, esta semana, o que coloca em causa a maioria na Assembleia da Republica.

"Estou confiante de que seremos capazes de superar essa dificuldade", proferiu Passos Coelho aos jornalistas depois de uma reunião dos líderes europeus para discutir o desemprego juvenil, em Berlim.

O CDS-PP de Paulo Portas reuniu durante todo o dia na quarta-feira e decidiu que o líder iria falar com o primeiro-ministro, numa tentativa de encontrar uma maneira de sair desta crise politica, a pior crise desde que Portugal recebeu o resgate financeiro em 2011.

Luís Queiró, membro do CDS-PP, disse que as negociações teriam como objetivo "definir as circunstâncias que garantem uma solução viável para os governantes de Portugal".

Apesar dos movimentos para curar a ferida, que foi provocada por dúvidas profundas e crescentes em Portugal mais austeridade implacável do governo para cumprir os termos do seu resgate, muitos analistas disseram que era apenas uma questão de tempo até o governo cair.

O Gabinete do Presidente Aníbal Cavaco Silva disse que tinham já começado as reuniões com os partidos políticos para encontrar uma solução, durante a próxima semana.

A oposição quer eleições já

António José Seguro, líder da oposição, deixou já claro e após a reunião com o Presidente da Republica que o seu partido quer eleições antecipadas.

"Nós consideramos que o país tem que voltar rapidamente para ter um governo com coesão e força", Seguro disse aos jornalistas, propondo um voto em 29 de setembro, para coincidir com as eleições locais.

Sem solução iminente, os preços das ações tiveram uma queda abruta na bolsa, tendo até sido suspenso o short-selling.

Os credores de Portugal - a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI) - eram esperados em Lisboa para iniciar a sua próxima revisão da economia em 15 de julho, mas em face destes acontecimentos mais recentes, a visita pode agora ser adiada.

Sem comentários: