12 junho 2013

Os países mais pobres contribuem para o financiamento do FMI

Os países mais pobres que contribuem para o financiamento do FMI reclamam ter que sustentar a Europa rica. 

Mais da metade dos empréstimos do FMI vão para a zona do euro. O FMI já contribuiu com cerca de um terço do dinheiro usado para resgatar países como Portugal, Irlanda e Grécia, com o restante vindo de outros países da zona do euro.

Historicamente, a Europa nunca havia tomado empréstimos do FMI. Agora os empréstimos têm vindo a aumentar de forma dramática.

Líderes e cidadãos de países como a Grécia, Portugal e Irlanda, queixaram-se amargamente sobre os termos que o FMI, como parte da troika, juntamente com o Banco Central Europeu e a Comissão Europeia, impuseram condições em troca de empréstimos.

Além de cortes orçamentais e aumentos de impostos, os governos têm sido pressionados para reverter algumas regras que protegem os trabalhadores contra o despedimento e impor outras mudanças impopulares.
Mesmo se o FMI repensar a sua posição sobre a austeridade, irá continuar a exigir condições estritas porque essa é a única vantagem que a organização tem para obter o seu dinheiro de regresso.



Mas mesmo aqueles que têm dúvidas sobre o papel do FMI na Europa não vejo nenhuma alternativa. A organização será, inevitavelmente, uma força na Europa nos próximos anos, por causa do dinheiro que ele emprestou e por causa de seu papel tradicional como cão de guarda sobre as políticas económicas e orçamentais dos seus membros.

Sem comentários: